Trabalhar em Malta: entenda porque não é tão simples - Egali Intercâmbio
Tudo sobre intercâmbio
Malta

Trabalhar em Malta: entenda porque não é tão simples

Atualizado em 07 de maio de 2018

Malta é um dos nossos destinos mais procurados pelos futuros intercambistas. Afinal de contas, o país reúne muitas qualidades como praias, belezas naturais, uma cena cultural incrível e a vida noturna super agitada.

É muito normal que os alunos queiram ficar por Malta após o tempo de estadia do pacote de intercâmbio, que é de no máximo 90 dias, de acordo com o visto disponibilizado. Com isso, a dúvida acerca de trabalhar e estudar em Malta é uma das mais frequentes.

Recentemente a procura por um programa que envolva trabalho e estudo tem crescido muito. Como a Egali preza pelo intercâmbio responsável, queremos esclarecer o caminho das pedras. E acreditem, são muitas pedras no caminho. Não é nada fácil! Por isso, resolvemos esclarecer tudo sobre trabalhar em Malta neste post. Confira a seguir!

 

Trabalhar em Malta: entenda porque não é tão simples

 

1. A aplicação do visto de estudante

Ao entrar em Malta, a carta de comprovação da escola deve obrigatoriamente ser de até 90 dias. Esse documento é entregue na imigração, juntamente com o comprovante da passagem de volta (que deve estar dentro desses 90 dias também).

Os alunos que quiserem aplicar o visto de estudante para ficar mais de 90 dias em Malta, e assim, terem a possibilidade de trabalhar, devem começar o processo após 3 semanas de estadia no país.

 

2. Você precisará ter uma acomodação garantida

Começar cedo é muito importante, pois o aluno deve ir atrás todos os documentos e as comprovações de acomodação e de saldo bancário para um período de 6 meses pelo menos. As taxas de comprovação de euros variam de 25 euros por dia, com a acomodação do restante do período já paga, ou 48 euros por dia, com uma carta assinada pelo dono do imóvel alugado.

egali-intercambio-trabalhar-em-malta-entenda-porque-nao-e-tao-simples-01

 

3. É possível que seu visto de estudante tenha menos tempo de validade

É importante ressaltar que nem sempre o governo maltês vai dar os 6 meses de visto para o aluno, portanto, mesmo que você consiga todas essas comprovações, você pode ficar por menos tempo no país (e, dependendo, sua acomodação já estará paga, ou seja, se você ficar por um período menos pode ter prejuízo).

A aplicação do visto de estudante sai em média 106 euros (taxa do governo + suporte), e a remarcação da passagem aérea também deve ser feita (e isso é mais um custo). Caso você decida ficar por 24 semanas e a validade do seu visto for menor do que esse tempo, será preciso pagar por outra aplicação.

 

4. Além de conseguir um emprego, você terá que se encaixar nos requisitos da vaga

Após os a aplicação do visto de estudante, o aluno poderá começar a procurar emprego. Pois, tendo o visto em mãos, o empregador poderá saber por quanto tempo o intercambista poderá trabalhar.

Assim que o aluno conseguir a possibilidade de emprego, ele terá que entrar em contato com a Job Plus, empresa que vai dar as orientações dos documentos necessários para o trabalho. Dependendo do emprego, será preciso comprovantes e cartas de recomendação, ou seja, a sua vaga vai depender de vários documentos.

 egali-intercambio-trabalhar-em-malta-entenda-porque-nao-e-tao-simples-02

 

5. Você vai poder trabalhar apenas 20h por semana

Além disso, não é permitido trabalhar por mais horas durante as férias da escola, como acontece em países como a Irlanda e a Austrália. O aluno vai poder trabalhar apenas por 20 horas semanais.

Caso o seu curso de idiomas acabe , e você queira continuar trabalhando em Malta, você terá que pedir uma permissão de trabalho, que custa aproximadamente 250 euros e vale por 1 ano.

 

6. O curso + trabalho em Malta vale a pena?

Após todas essas informações, é possível perceber que, por enquanto, a possibilidade de estudar e trabalhar em Malta existe, mas não é tão viável quanto em outros países como a Irlanda, a Austrália e Nova Zelândia.

Os altos custos que citamos anteriormente e a falta de garantias de que o intercambista conseguirá cumprir os requisitos das raras vagas de emprego oferecidas, indicam que essa é uma opção arriscada. Nos demais países que oferecem o programa de Curso + Trabalho, além da política de imigração ser mais flexível, não é preciso de documentos e muitos requisitos para as vagas ofertadas, o que deixa o processo de arranjar um emprego muito mais simples.

Portanto, para finalizar este post, vemos que no atual momento Malta é uma ótima opção de destino para pacotes de cursos de idiomas. Mas quando se trata do assunto de estudar e trabalhar no exterior, destinos como Irlanda, Austrália e Nova Zelândia continuam sendo opções com melhor custo-benefício para os intercambistas.

egali-intercambio-trabalhar-em-malta-entenda-porque-nao-e-tao-simples-03

 

Quer saber mais sobre pacotes de estudo em Malta e de curso + trabalho nos países citados acima? Então entre em contato com a gente por aqui. Em breve, um de nossos consultores entrará em contato com você!

  • egali
    Por egali