Papo de Intercambista | Queenstown - Egali Intercâmbio
Eu fui de Egali

Papo de Intercambista | Queenstown

Atualizado em 30 de julho de 2018

O Érick Luchtemberg da Egali Intercâmbio – Caxias do Sul indicou o Eduardo e Marcele para que eles contassem para a gente sobre a experiência deles em Queenstown. Os dois nos passaram várias dicas legais. Confira!

 

A cidade

“Nosso intercâmbio foi na cidade de Queenstown, na Nova Zelândia, e os motivos que nos levaram para lá foram vários: Nós sabíamos que no verão havia várias atividades ao ar livre e no inverno a cidade virava uma estação de Sky, então nós poderíamos encarar de perto alguns esportes radicais e ao mesmo tempo teríamos a possibilidade de visitar lugares completamente congelados. Ainda poderíamos aproveitar o lago da cidade, procurar lugares incríveis para fotografar, dirigir pelo país, conhecer melhor a cultura neozelandesa e, claro, ver de perto alguns dos locais onde alguns filmes famosos foram gravados.

1

Nós nos preparamos bastante para a viagem: sobre os aeroportos, sobre os lugares, o transporte dentro do país, os custos, mas, na verdade, não fazíamos muita ideia do que realmente iríamos encontrar por lá. Quando chegamos na cidade, imediatamente tivemos um choque: aquela vista das montanhas e o avião pousando no meio delas, já é algo incrível. Daí pra frente, você não para de se surpreender, anda um pouco e se depara com o lago, começa a ver os jet boats, aquela água cristalina, vê o pessoal fazendo trilhas, pedalando ou saltando de paraquedas. É um clima muito legal. No curso de Inglês, segundo o que aprendemos, a palavra para usar para as paisagens de Queenstown era “dramatic“, porque você se sentia pequeno diante da exuberância dos lugares. Esse vídeo ilustra bem o que é chegar lá: https://www.youtube.com/watch?v=7mxmFCw-Dig

Dai pra frente nós procuramos interagir com a cultura do local e passar os dias da forma como os neozelandeses faziam. Recomendamos muito isso, pois você vai passar a frequentar os restaurantes que o locais frequentam, trocar o caminho para o centro da cidade de ônibus por uma trilha que dá uma vista incrível do lago, passa a ir aos jardins da cidade para relaxar no gramado à beira do lago, passa a ir aos bares e beber a cerveja mais pedida da casa, vai ao lago às 22:30h para ver o pôr do sol, frequenta as liquor stores, pede um fish and chips pro jantar…

9

 

Gastronomia

Em Queenstown, vários bares e restaurantes que fomos haviam recebido prêmios TripAdvisor em 2014, então não tinha erro, você podia ir à um pub Irlandês e pedir um Beef and Guinnes Pie, que certamente seria ótimo. No primeiro dia de aula, um professor nos levou para conhecer a cidade e mostrou vários lugares onde você poderia comer de forma barata. Como eles não dão muita ênfase ao almoço, você encontrava vários lugares que serviam refeições menores (as vezes nem tanto) por até NZ$ 15,00. Era muito comum encontrar 8 peças de Sushi, pratos do dia como sopa, espaguete, fish and chips e risotos por até NZ$ 15,00. Isso nos deu a possibilidade de economizar com as refeições, pois o café da manhã e o jantar normalmente eram em casa. Mas caso você se sinta triste e queira matar a saudades de casa, tem um restaurante brasileiro no shopping.

8

 

Passeios

Como desde o início pretendíamos dirigir pelo país, nós sabíamos que era preciso selecionar algumas atividades pagas em Queenstown e deixar outras para o resto dos lugares, então nós descobrimos as caminhadas de aventura e aí a coisa começou a melhorar ainda mais. Por exemplo, você pode ir à Skyline para ter uma vista da cidade, saltar de paraquedas e bung-jump subindo pela Gondola, ou você pode encarar a aventura de subir toda a montanha por uma trilha incrível de duas horas. Se você for mais aventureiro ainda, pode encarar uma caminhada de mais duas horas após a Skyline e ir ao maior monte da região. Você pode percorrer o lago a pé ou pedalando, pode percorrer Sunshine Bay, etc. As trilhas: http://www.doc.govt.nz/parks-and-recreation/tracks-and-walks/otago/queenstown-wakatipu/

As trilhas foram umas das coisas que marcaram meus dias na cidade, você tem um contato com a natureza e ao mesmo tempo conhece a história do lugar. Mas claro que fizemos muitas outras coisas, em especial, nós recomendamos participar de um rally para conhecer as locações dos Senhor dos Anéis. É realmente muito legal, você vai poder escolher ficar fora um dia inteiro ou meio dia, mas nós escolhemos a parte da tarde no sentido de Arrowtown, pois Glenorchy era na parte da manhã, ficava à 40km e não falava muito da história da cidade. Nesse passeio pudemos conhecer lugares incríveis, mas não só do filme, você anda um pouco e encontra cidades da época da colonização, entra no rio de Arrowntown com uma Land Rover, vê coisas da época da exploração do ouro (tentamos achar algum, e nós achamos!).

11

 

Curso de idiomas

Pra finalizar sobre Queenstown, com estilo, podemos falar do curso, pois também foi muito legal. Nós ficamos hospedados numa casa de estudantes em Sunshine Bay a 3 km da escola, junto com 1 moça da Suíça, 1 taiwanesa, 1 japonesa e duas tailandesas. Um intercâmbio cultural muito interessante, pois quando não estávamos todos aproveitando a noite na cidade, estávamos em casa fazendo uma comida italiana para todos ou provando alguma comida oriental feita por elas. Na escola, você realmente é bem recebido, é incentivado a falar sempre na língua local e expor aos professores suas dificuldades e experiências. Os professores são muito proativos e didáticos, vão lhe fazer aprender o melhor do inglês com sotaque neozelandês.

6

 

Dirigindo pelo país

Após tudo o que passamos em Queenstown, ainda tinha a segunda etapa da viagem, que se tratava de dirigir pelo país, e foi quando uma nova etapa da aventura começou. Atravessar cordilheiras até as geleiras e conhecê-las bem de perto, passar por longas estradas através de áreas rurais, atravessar a Costa Oeste pela rota 6 e ver uma das estradas mais bonitas do mundo, conhecer Nelson e atravessar até Wellington com um ferry boat, dirigir até Rotorua  e se deparar com cenários incríveis da estrada e do lago Taupo, “cheirar” de perto Rotorua e conhecer os centros da cultura Maori, os gêiseres, a atividade geotérmica, os esportes, as trilhas.

4

 

Suporte Egali

Enfim, voltamos encantados, querendo mais e sabendo que deixamos um monte de coisas pra traz para uma próxima viagem, pois com certeza vamos voltar pra Nova Zelândia para conhecer mais ainda a ilha sul e todos os lugares que não pudemos conhecer, muitas vezes por falta de tempo, porém, dessa vez, vamos optar pelo inverno! Algo que ajudou e muito, foram as orientações da Egali no pré-embarque e durante a viagem, em especial o pessoal do suporte online e a atenção dada pelo Érick Luchtemberg, pois ele foi nosso consultor de vendas e já havia feito uma viagem semelhante para a Nova Zelândia, isso ajudou muito!

 

Dicas

Outro auxílio grande que tivemos foi com os apps de Smartphones, essa é uma dica extra, pois através do Trip Case planejamos toda a viagem e tivemos como mostrar à imigração ao chegar. Também recebíamos notificações dos voos por esse app. Usamos o Essencial New Zeland Travel para escolher os lugares que queríamos visitar, usamos o New Zeland Great Walks para as caminhadas, o Travelmate e o Camper Mate para me localizar na estrada e encontrar postos de combustível. Encontramos todos eles aqui https://play.google.com/store/search?q=new%20zeland e aqui http://melhoresmomentosdavida.com/os-10-melhores-aplicativos-de-viagem-na-nova-zelandia-2/.

Caso alguém queira ver algumas de nossas fotos na Nova Zelândia, estão em um álbum do Facebook https://www.facebook.com/media/set/?set=a.10203518899278356&type=1&l=061898273b, todas as fotos e os vídeos podem ser vistos no Google Drive (são cerca de 1000 fotos), basta nos procurar on-line e pedir o link.

Eduardo Picetti Torezan e Marcele Peruzzo”

 

Obrigado pelas dicas, pessoal! Muitas pessoas vão aproveitá-las, com certeza!

  • egali
    Por egali